Palácios de memória, a solução para alguns Exames Nacionais!

Editor Inspiring Future
28 junho 2020

Já ouviste falar de Mnemónicas, do Major System ou de Palácios de Memória? Não? Sim? Não interessa na realidade, se precisas de te tornar um Campeão de memória por causa dos Exames, só tens de continuar a ler este artigo! 

 

Afinal o que são mnemónicas? 

Mnemónica é a arte de utilizar mecanismos/dinâmicas específicas para te conseguires lembrar de volumes maiores de informação, ou seja, é a arte de desenvolver associações sensoriais como técnica de memória. 

 

(Se o exemplo a seguir te fizer lembrar de PEPSI, melhor ainda, resultou para mim e nunca mais me esqueci, porque está a associado a algo que está constantemente presente no dia-a-dia.) 

Um exemplo para futuros alunos de Medicina: PEPS. Foi uma mnemónica que criei quando queria decorar 4 dos ossos da zona do pulso: o Pisiforme, Escafoide, Piramidal e Semilunar. 

 

Usamos mnemónicas no nosso dia-a-dia há anos e nem sequer nos apercebemos, já pensaste porque é que dizes/pensas em números de telemóvel em grupos de 2, 3 ou 4? 

Já pensaste que às vezes até parece que não te consegues lembrar do número se não o disseres de uma certa forma? 

Ou que quando alguém diz o número de outra forma, quando não é a que tu estás habituad@, faz com que não consigas reconhecer facilmente? 

 

Se ainda não percebeste, isso são tudo formas de mnemónica natural, o nosso cérebro mais facilmente se lembra de certas informações se elas estiverem agrupadas por uma ordem específica.  

Exemplo prático, o número de WhatsApp do Inspiring Future é o 918065006, o que achas que é mais fácil? Dizer este número todo seguido ou 918 065 006 ou 918 06 50 06 – curiosamente, na televisão usam constantemente esta segunda versão, porque será? (emoji do diabrete a sorrir) 

 

Que outras técnicas existem? 

Major System e Palácios de Memória, são exemplos que até costumam ser combinados. 

O primeiro, o Major System, não é mais que um sistema de criptografia onde se quer decorar um número e vice-versa. Transforma-se esse número num conjunto de letras, de acordo com uma tabela definida, e depois forma-se uma história com essas letras. 

Quanto mais estúpida e caricata for a história, mais fácil será de lembrar. 

 

O segundo, o Palácio de Memória ou Método de Loci ou MoL ou método da viagem, é uma técnica um pouco mais complexa, mas que se for bem aplicada pode dar-te a memória do nível de um Savant – se já viste a série Sherlock é possível que já tenhas uma ideia do que isto é. 

Como é que funciona esta técnica? Funciona por associação dos elementos que te queres lembrar a elementos que te são familiares, geralmente usa-se a própria casa. 

Por outras palavras, o truque é imaginares que estás a entrar em casa e a passar por vários objetos ou divisões, cada objeto pode guardar informação que querias recordar. 

 

Por exemplo, vamos imaginar que o teu quarto é a zona dos exames e que a secretária é Biologia/Geologia. 

O candeeiro pode ser a matéria da fotossíntese, por exemplo. 

Quando o sol entra no teu quarto, não precisas propriamente de ligar o candeeiro, portanto, vais estar a guardar os ATPs produzidos na fotofosforilação cíclica (através da redução do PH da cadeia) e acíclica (usando o NADP e a ferredoxina) para quando ficar de noite.  

Quando estás na fase escura, aí tens de usar o candeeiro. Nesse caso, terás de ligar os NADPHs do interruptor e gastar ATPs de eletricidade para que o candeeiro possa manter o ciclo de fixação do CO2 através da proteína RuBisCO (ribulose bifosfato carboxilase-oxidase). 

Isto se realmente quiseres estudar, se não, podes simplesmente abortar, ir dormir e acordar cedo para aproveitar a luz solar! 

 

 

Como podes ver, truques não faltam para pores a tua memória a bombar, é só uma questão de trabalhares no sentido de desenvolveres o mecanismo que mais te favorece!