Como escolher o melhor curso para mim?

Redatora com Futuro
1 Abril 2020

És aluno do 12.º ano? Este artigo é para ti!

Chegou a altura em que começas a questionar o teu futuro, a pensar nas escolhas que terás de fazer daqui a poucos meses, e que talvez tenhas tentado ignorar até agora… muitas dúvidas, poucas certezas?
Não te preocupes, muitos estão na mesma situação que tu, outros tantos já passaram por ela, e, quanto a nós, estamos aqui para te ajudar!

 

A escolha do curso superior é, primeiro que tudo, uma escolha tua!

 

Ninguém pode decidir por ti, nem deves deixar que a opinião dos outros influencie essa mesma decisão.

O que não quer dizer que não possas conversar com os teus pais, com os teus amigos ou com outras pessoas para lhes pedires alguns conselhos. Mas, no fim, a escolha será sempre tua!

Dito isto, o que pretendemos com este artigo é dar-te alguns “pontos” essenciais para que reflitas sobre eles e não deixes nenhum de fora quando tomares a tua decisão.

E porquê? Porque esta é uma escolha que não se faz apenas porque se gosta de uma determinada área do conhecimento ou porque é uma profissão com um bom salário, há que pensar e analisar vários aspetos, para que faças uma escolha sensata e, assim, o mais acertada possível.

 

1. Seleciona um conjunto de cursos

 

Para te candidatares ao ensino superior, é necessário definires um conjunto de cursos que gostes - não penses em apenas um, porque podes não conseguir entrar nesse, pelo que deves ter outras opções em mente. E porque é que isto é importante?

Porque ao selecionares um conjunto de cursos, é-te mais fácil pesquisar informação sobre os mesmos.

Usa e abusa do Inspiring Future, uma vez que aqui encontras informações sobre cada curso:

  • a nota do último colocado no ano anterior
  • a ponderação da média do secundário e das provas de ingresso
  • a instituição de ensino superior em que é lecionado
  • entre outras, que te permitam compará-los e auxiliar-te na decisão.

 

2. Inscreve-te nos exames nacionais que sejam potenciais provas de ingresso

 

É importante relembrar-te da importância dos Exames Nacionais no acesso ao ensino superior. 

Para além daqueles que são obrigatórios para aprovação da disciplina (30% da nota final), aqueles que utilizares como prova de ingresso contribuem entre 35% a 50% para a tua nota de candidatura.

 

3. Não deixes que os resultados te definam

 

Quantas vezes já te disseram “Sê realista”, relativamente à escolha do curso que irás prosseguir?

Talvez muitas pessoas te transmitam a ideia de que a escolha do curso deve ser condicionada ou limitada (que reforça melhor a ideia), pelos resultados que foram sendo obtidos ao longo do secundário.

 

  • as coisas só ficam fechadas depois dos exames nacionais da 1ª fase  e dos exames nacionais da 2ª fase – portanto, aposta forte no estudo!

  • as notas dos últimos colocados podem oscilar, pelo que, ainda é possível que consigas entrar no curso que queres, independentemente das notas que tens.

  • sim, deves ser realista, mas não no sentido de limitar as tuas escolhas.

 

Deves ser realista, no sentido de ter sempre opções que te suscitam interesse e onde à partida será mais garantido que consegues o teu lugar – normalmente cursos onde a tua nota de candidatura é superior ao último colocado, preferivelmente, um valor ou mais.

 

4. Trabalhar numa área que gosto ou ter um bom salário?

 

Todos te dizem que deves seguir algo que gostes, porque, muito provavelmente, passarás os próximos 40 anos da tua vida, cerca de 8 horas por dia, a fazê-lo, e, por isso, convém que seja algo que te faça sentir realizado.

É muito conhecida a frase “Escolhe um trabalho de que gostes, e não terás que trabalhar nem um dia na tua vida”. E claro que isso é muito importante, mas não é tudo!

Toda a escolha tem os seus prós e contras, e, como em tudo na vida, o mais sensato é haver um equilíbrio, pelo que, quando tomamos uma decisão, há que “colocar os pratos na balança” e ver o que “pesa” mais para nós.

 

Há que ponderar alguns outros aspetos, como, por exemplo:

  • Qual é a taxa de desemprego deste curso?
    • Podes consultar os “Dados e Estatísticas de Cursos Superiores” referentes ao curso em questão.
    • Nos quais irás encontrar a “Percentagem de recém-diplomados do curso que estão registados no IEFP como desempregados”;
  • É um emprego que me oferece condições boas ou precárias?
    • Tem taxa de desemprego considerável mas oferece boas condições? Quando conseguem, normalmente, as pessoas mudam de emprego rapidamente?
    • Tem taxa de desemprego baixa mas oferece más condições? Há margem de progressão ou melhoria no futuro?
  • Qual foi a experiência das outras pessoas que lá estiveram?
    • Qual é a opinião delas quanto ao curso?
    • Que dificuldades tiveram durante e após o curso?

 

Falamos-te destes pontos, porque é importante pensares em todos antes de tomares a tua decisão.

É fundamental definires o que é mais importante para ti, e escolheres de acordo com o que te faça sentir mais realizado e mais feliz.

Não te esqueças: pode ser muito frustrante a sensação de te teres dedicado tantos anos a um curso, da tua família ter investido em ti, ou de teres abdicado de algumas coisas em prol dos teus resultados académicos e, depois, chegado ao mercado de trabalho, teres muita dificuldade em conseguires um emprego.

Ou conseguires, mas este não corresponder às tuas expectativas.

 

Pesquisa, pondera e escolhe, mas sempre da forma mais informada possível!