Ser Empreendedor: uma experiência para a vida

Se achas que isto de ser empreendedor é só para os outros, enganas-te.

Há quem pense que tem que ver com mover montanhas ou viver num estado de permanente luta para alcançar aquilo que é o objeto dos seus sonhos. Será que é realmente assim? Sabes o que significa empreender?

Existem várias definições em torno de um significado comum, mas todas elas remetem para o ato de dar “início a”. E aí é que comummente reside a raiz do problema, porque muitas vezes até gostarias e anseias por fazer. Olhas para outros à tua volta e pensas em quanto gostarias de teres sido tu a ter aquela ideia, chegar aquele objetivo ou ter aquele percurso.

Tu até tens as ideias, mas não avanças – aqui é que está o verdadeiro problema. Avançar assusta: dispara o teu nível de auto-exigência, que se por um lado pode ser um bom conselheiro nalgumas circunstâncias, noutras pode boicotar-te. Ainda por cima, avançar sem seres obrigado a isso…

Recua um pouco… como foram as tuas aulas de História? Elas ensinam-te muito mais do que um conjunto de datas. Lembras-te do Cabo das Tormentas e do monstro Adamastor? E lembras-te de como, com um feito, o Cabo das Tormentas passou-se a designar Cabo da Boa Esperança? Esta mudança de perspetiva diz muito sobre a capacidade de ultrapassarmos os obstáculos exteriores e interiores quando nos propomos a isso. Se olhares bem para a nossa história verás que os nossos antepassados já eram empreendedores. Por outras palavras, está no nosso ADN.

E agora pensas: sim, mas e então? Como é que eu passo da nebulosa à ação? As ideias e o processo criativo - inerentes ao processo empreendedor - precisam de uns quantos ingredientes. Um deles é certamente o conhecimento específico sobre o tema que queres trabalhar e isso inclui uma série de itens aos quais tu certamente terás de te dedicar com muito boa vontade, porque fazem parte daquilo que te motiva. Esta é a fase de pesquisa, de recolha de informação que pode ser realizada recorrendo a vários meios. Precisas de reunir tudo aquilo que precisas de saber sobre o que pretendes desenvolver ou solucionar. Pouco a pouco e sem te dares conta, estás a tornar-te num “expert” sobre a matéria. Sim, leste bem, um “expert”.

A auto-confiança é outro dos elementos-chave no processo. Com moderação e em doses q.b., acreditares em ti faz toda a diferença para dares o salto - aquele que falámos lá atrás e que é decisivo no ato de empreender. E se o conhecimento técnico que reuniste é vital para o sucesso da tua empresa/projeto/do teu intento, há outro fator crítico/determinante: o ambiente que te rodeia.

Uma ideia florescerá melhor, quanto mais propício for o ambiente ao seu desenvolvimento. Um ambiente que te estimule e que desperte o teu sentido crítico, dotando-te simultaneamente de conhecimentos e competências que te habilitam a “dar corpo” ao teu projeto, pode ser muito vantajoso. Se já vislumbras a importância da componente técnica que funciona como o suporte mais visível, existe uma outra que faz valer o ditado “vale mais quem quer do que quem pode” e que é a dimensão humana.

No Ensino Superior encontras uma série de instituições que estão dispostas a dar-te apoio na tua missão. No decorrer da tua formação, encontrarás conteúdos que serão os alicerces do teu conhecimento e do teu projeto. Mas encontrarás também algumas instituições em que a educação para o Empreendedorismo começou quando ainda não se falava do tema como se fala hoje e que tem vindo ano após ano, a implementar-se e a ganhar terreno. E um desses casos situa-se no interior de Portugal, no Politécnico de Portalegre, onde o espírito empreendedor e a cultura para o empreendedorismo se materializam, como por exemplo na BioBIP (Bioenergy and Business Incubator of Portalegre).

Caso não conheças, a BioBIP é uma incubadora de empresas de base tecnológica que alia o melhor de dois mundos: o conhecimento da academia e a visão do mercado de trabalho. Tens ao teu dispor recursos humanos que reconhecem a importância de seres empreendedor e que te motivam e apoiam, vai fazer toda a diferença.

Seja através de conteúdos ministrados no âmbito de unidades curriculares do curso, de formações específicas para desenvolvimento de soft skills, ou de iniciativas como o Poliempreende, a valorização pessoal de cada um é uma tarefa que professores e restante equipa levam muito a sério. E isso explica, que do interior de Portugal, vindos de todos os pontos do país, saiam diplomados que se destacam nacional e internacionalmente nos mais variados domínios. Porque “ganhar asas” é o que define esta experiência, que se torna única e uma Experiência para a vida.

Se ainda tens dúvidas pergunta aos nossos diplomados, como a Patrícia Matos que durante dez anos apresentou o Diário da Manhã na TVI - nossa aluna de Jornalismo e Comunicação - ou à Inês Freitas e ao Miguel Mendes que fizeram a animação da música “Animals”, dos britânicos Muse, nossos alunos de Design de Animação e Multimédia.

Já podes também ter ouvido falar do nosso João Torrão, cavaleiro profissional, Campeão Nacional de Dressage em 2020, nosso aluno da licenciatura em Equinicultura.

Também tu podes viver esta experiência e este é o teu TEMPO DE A VIVER. Até já.