Devia haver testes de imunidade nas escolas secundárias?

Francisco Oliveira
Editor Inspiring Future
11 Maio 2020

Daqui a uma semana, dia 18 de maio, as aulas presenciais para as disciplinas de exame voltarão com bastantes medidas de segurança e processos de higienização, mas serão suficientes?

A Federação Portuguesa de Professores, FENPROF, acredita que não.

Para além de ter dado a indicação desde início que achava “absurdas” as medidas para a reabertura das escolas, apresentando como principais argumentos:

  • A falta de transparência do Governo - ao não ter comunicado com a Federação antes de enviar os documentos orientadores às escolas;
  • A sobrecarga horária e trabalho que implica para os docentes e restantes funcionários das escolas;
  • Os aspetos pedagógicos que não estão a ser tidos em conta – ainda que não sejam referidos quais – e que potenciarão as desigualdades já provocadas pelo COVID-19.

A FENPROF acrescenta agora, à discussão, uma petição para a realização de testes à comunidade escola antes da reabertura das escolas. A petição inclui também que estes testes se mantenham de forma periódica com o decorrer do 3º período.

 

A Federação alerta ainda para o risco que estas medidas representam tanto para o corpo docente, como para o não docente, ainda que o Ministério tenha dado a indicação que seria possível contratar e recrutar mais pessoas para que este processo fosse possível.

Já no final da semana passada a Federação Nacional da Educação, FNE, tinha pedido ao governo que este recrutamento ficasse disponível e que era uma necessidade ter escolas com os devidos stocks de higienização e proteção garantidos.

 

Já na Região Autónoma dos Açores, a Autoridade de Saúde Regional, ainda que não tenham registado novos casos nos últimos dias, definiu que serão feitos testes nas escolas da região à medida que estas forem abrindo.

Estas medidas servem como prevenção para “acautelar uma possível segunda vaga”, segundo Tiago Lopes, Diretor Regional da Saúde dos Açores.

No caso dos Açores, em algumas ilhas, as aulas presenciais serão retomadas no Ensino Básico e Secundário. Na Terceira, S. Jorge, Pico, Faial, Graciosa e S. Miguel as aulas serão retomadas apenas pelos 11º e 12º.

 

 

FONTE: Público